30 maio 2005

Maio 68, Quando a Utopia Desceu à Rua

Período marcado pela movimentação estudantil ocorrida em Paris, em 1968, que termina em confrontos entre jovens e a polícia de choque durante o mês de Maio. Iniciada por estudantes, conta com a adesão de trabalhadores e espalha-se, posteriormente, para outros países. Em 1968, os estudantes franceses desceram à rua. Descontentes com a disciplina rígida, os currículos escolares e a estrutura académica conservadora, os estudantes de Paris organizam protestos que levam à ocupação da Universidade de Nanterre (oeste de Paris), em 23 de Março. Eles contestam também a situação social e política do país e o governo do general Charles de Gaulle, em virtude do desgaste provocado pela guerra de independência da Argélia. Entre os slogans criados estão “É Proibido Proibir”, “O Poder Está nas Ruas” e “A Imaginação no Poder”. A decisão da reitoria de fechar a faculdade, em 3 de Maio, faz a Sorbonne abrir as portas aos alunos de Nanterre. Influenciados pelos estudantes, operários de Paris realizam protestos, ocupando fábricas e organizando manif’s e greves. No Quartier Latin, bairro dos intelectuais em Paris, há barricadas. A 6 de Maio ocorre o confronto entre 13 mil jovens e a polícia. A repressão é simplesmente brutal. São lançadas bombas de gás lacrimogéneo, respondidas à pedrada pelos jovens. Entre os líderes estudantis destaca-se Daniel Cohn-Bendit (hoje deputado no PE), entre outros.
O caos instala-se. A princípio, o governo francês fica paralisado. Mas a situação é controlada no final de Maio, com violenta repressão. No total são mais de 1.500. O governo de De Gaulle, abalado, sustenta-se no poder somente até Abril de 1969. Foram muitos os maios ou os sessenta e oitos, talvez tantos quantos os personagens que os viveram. Não foi só na Europa que a explosão das lutas juvenis marcaram essa época, também nos EUA e na América Latina, esse ano emblemático foi agitado. No entanto, o epicentro do abalo foi Paris, a cidade marcada pelas grandes revoluções modernas: da Grande Revolução de 1789, à Comuna de Paris de 1871, primeira tentativa de autogestão social da polis moderna.
O pretexto foi a reforma do ensino superior, pensada pelos donos do poder. Mas as razões profundas eram as tensões que se haviam acumulado na sociedade, particularmente entre os jovens. Sem elas Maio não teria sido possível e as ruas não se teriam enchido, nem o movimento ultrapassaria os muros das universidades, espalhando-se como se espalhou pelas periferias operárias.
Tem também aqueles que continuam a recusa, uns anonimamente, outros mais conhecidos, como Raoul Vaneigem, o autor de "A Arte de Viver para a Nova Geração", um dos intelectuais críticos que mantém seu solitário combate contra a sociedade do espectáculo, que foram capazes de entender e denunciar numa época em que o entendimento do capitalismo e do socialismo de estado ainda estava preso a velhas e já decadentes análises do século XIX.
Guy Debord, o mais enigmático símbolo dessa época, solitariamente, com a sua genial arrogância despediu-se da vida, em 30 de Novembro de 1994, com um tiro que interrompia como ato de liberdade sua irremediável decadência física. Desaparecendo assim, aquele que foi um dos principais personagens desses anos, mesmo quando esteve ausente do centro dos acontecimentos, autor do livro "A Sociedade do Espetáculo", que marcou uma época e é ainda hoje um poderoso documento de autópsia do cadáver adiado, que é a sociedade massificada pelo consumo e pelo espectáculo.
Uma geração que produziu tais personagens e tais acontecimentos, mesmo que reduzidos a uma breve primavera, em Paris ou Praga, certamente tem a certeza que viveu uma das raras oportunidades que a história dá aos seres humanos de se sentirem realmente actores e donos de seus próprios destinos. Pode, essa geração, carregar consigo o vazio dos desejos não satisfeitos; pode até iludir-se sobre a irrelevância dos momentos vividos, pode até ter-se arrependido, mas esses anos, essas semanas ou meses, ficarão para sempre na forma de mito, como aqueles momentos que as gerações futuras lamentarão não ter vivido.
Por isso é que o Maio francês é a mais moderna e a mais radical das revoluções: a revolução espontânea, imprevisível e total, numa sociedade, onde todas as velhas reivindicações se conjugaram com o vazio, que nenhuma sociedade de consumo poderá preencher porque é a vital insatisfação do ser humano ante um mundo cada vez mais centrado sobre coisas e onde se perde o sentido individual e colectivo de uma existência verdadeiramente humana.

Pouco importa hoje se a revolução de Maio de 68 era possível, ou era impossível, naquele velho sentido militar e estratégico dos velhos burocratas leninistas. Até porque eles foram os últimos a entender o que estava em causa e os primeiros a afirmar explicitamente a necessidade de impedir que a utopia descesse às ruas. A CGT, os sindicatos comunistas e o PCF desempenharam um papel decisivo na domesticação rápida do movimento, num momento em que os partidários conservadores do regime do General De Gaulle estavam estupefactos ante a insólita e inesperada possibilidade de uma nova Comuna de Paris.

28 maio 2005

Recordações

de outros tempos.

- Surpresa 1 [Play] Para ouvir clicar em play, aguardar a nova página, clicar com o botão do lado esquerdo do rato sobre 'Adress' e fazer 'Enter'. Depois é só degustar...
- Surpresa 2 [Play]

Digam lá que não foi boa ideia!

E Vai Mais Um!


Faz hoje anos que nasceu esta prenda!

25 maio 2005

Perigo Eminente

Domingo de madrugada, Lisboa correu o risco de ser evacuada na sua totalidade devido
àquilo que as autoridades pensavam tratar-se de um ataque terrorista.
No entanto o alarme foi cancelado quando se descobriu que afinal o
cheiro intenso, que parecia tóxico, era proveniente da naftalina das
bandeiras do Benfica destes últimos 11 anos.

Falso alarme

Cruzaste as pernas
Fiquei com inchaço.
Pensei que era ácido úrico.
Afinal as análises estavam bem.

Pssstttttt!

A menina dança?

24 maio 2005

20 maio 2005

A Escola que Temos

dá que pensar! Cada vez mais se instala não só a ideia, mas, pior, a convicção de que os professores não existem para ensinar, mas para tomar conta dos filhos dos outros.
Isto é a subverção completa da Missão e Valores da Escola.
Entretanto, felizes e alegres, até parece que tudo vai bem no reino da Dinamarca.
Enquanto a orquestra toca, o Titanic afunda-se. Pois claro, é a Escola Portuguesa, com certeza.
Para já não se nota, mas daqui por 10 anos falamos!

À consideração superior de Sua Excelência a Senhora Ministra da Educação.

Um Curriculum e Pêras!

Os argumentos da candidata. Até fiquei gago!

A Perspectiva do Empregador

Perante um curriculum tão avantajado, aqui está a perspectiva do empregador e decisão em conformidade.
Os "experts" em Sociologia das Organizações teorizam, teorizam sobre o assunto e ainda não perceberam a realidade!
Será que os argumentos que a candidata apresenta não se enquadram no conceito alargado de "competências"?
A - E depois é assim, do ponto de vista microeconómico:
1. O ordenado da catraia são "Custos com o pessoal".
2. Os resultados operacionais baixam.
3. A haver lucro, necessariamente este é mais baixo.
4. Logo, o IRC a pagar é menor.
5. Em vez de transferir recursos para o Estado, o empregador transfere parte deles para a nova empregada e para o seu gozo pessoal.
6. O benefício resultante para o empregador é necessariamente superior ao custo suportado e daí a decisão.
7. Concluo que a perspectiva do empregador está correcta.
B - Segundo a macroeconomia:
1. O empregador criou 1 posto de trabalho, o que contribui para a baixa da taxa de desemprego, faz crescer a receita do Estado por via do IRS e da Taxa Social Única e diminui o potencial da despesa social do Estado.
C - Ora desde que IRS+TSU+X>Quebra de IRC, em que X=benefício social e económico resultante da criação de 1 posto de trabalho, então,
a decisão do empregador está correcta, independentemente das suas motivações.
D - Segundo a moral dos invejosos e das virgens impolutas:
1. Não há direito, isto é chular o Estado e a Sociedade.
2. Há por aí muito mais gente, coitadinha, que precisava mais do emprego do que ela.
E - Concluindo: Assim não vamos a lado nenhum, digo eu piamente!

18 maio 2005

16 maio 2005

O Milagre da Transformação


Porque será que esta avó (Ornella Muti) tem os peitos que tem? A resposta já de seguida!
OLHA A DIFERENÇA Posted by Hello

Marmelos caídos? No Problem!

Revolucionário, sem recurso a cirurgia e a silicones.
Um método revolucionário que vai trazer-lhe a auto-estima de volta.
Diga adeus aos marmelos caídos e inestéticos.
Ponha o seu patrão completamente tolo!

É candidata autárquica? Ponha o povão completamente maluco a votar em si!
Acha que já não tem poitrine para fazer um strip para os seus colegas de trabalho?
Não perca mais tempo! Veja o vídeo de apresentação!
http://www.bringitup.com/BreastLift.mpg

05 maio 2005

O Caos das auto-estradas - Petição

Em virtude de no nosso país existir uma cultura de aceitar sempre
aquilo que está errado, foi criada uma petição, que irá ser enviada à
Assembleia da República, que visa pressionar as concessionárias das
auto-estradas a suspender ou a reduzir de forma significativa o custo
das portagens quando os lanços se encontram em obras, como é o caso actual da A5 e da A1.
O que se pretende é reunir um número significativo de assinaturas, de
forma a dar uma maior base de pressão a esta petição, embora todas as
assinaturas contem da 1ª à última.
Mesmo que esta situação vos seja indiferente ou irrelevante, enviem
esta informação a quem achem ser importante. Não permitam que esta
situação se prolongue.
A petição electrónica encontra-se disponível no seguinteendereço:
http://www.petitiononline.com/portagem/petition.html

01 maio 2005

Diário 9

Insónia,
Vigília,
Tormento.
Asas desnudadas
Pelo pensamento.
Rios de espuma
Batidos pelo vento.
Só tu
E o desalento!